Museu das Flores

Dezembro 2017

DOMSEGTERQUAQUISEXSÁB
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Direcção Regional da Cultura esclarece pinturas das cantarias do Convento de São Boaventura

Relativamente às notícias recentemente divulgadas por órgãos da comunicação social dos Açores, que têm por base afirmações e questões suscitadas pelo senhor deputado Paulo Rosa, do CDS-PP, relativamente à pintura das cantarias do Convento de São Boaventura, na ilha das Flores, a Direcção Regional da Cultura esclarece o seguinte:

Na sequência da adjudicação à empresa Teixeira Duarte, Engenharia e Construções, SA, da empreitada de “Reabilitação das Coberturas do Convento de São Boaventura”, foram detectadas algumas anomalias no imóvel intervencionado, que se resumiam genericamente às cantarias e às caixilharias exteriores.

Apesar de a empreitada referida não incluir esses trabalhos, e de, à presente data já ter terminado, foi adjudicada à mesma empresa, recorrendo-se a um ajuste directo, a intervenção que agora decorre.

A questão que de momento volta a ser colocada (pintura das cantarias) foi discutida em reunião ocorrida em 28 de Outubro de 2010, na qual participei e onde estiveram presentes diversas pessoas interessadas na matéria, onde se incluíam a Provedora da Santa Casa da Misericórdia (entidade proprietária do imóvel), o Presidente da Câmara de Santa Cruz das Flores e o Director do Museu das Flores.

Nessa reunião ficou claro que as cantarias, que tinham sido mantidas sem protecção nas últimas décadas, tinham vindo a sofrer o desgaste anormal provocado pela erosão salina, que já tinha obrigado a reparações significativas noutras áreas bastante alargadas, pelo que se tornava imperioso encontrar um meio de travar esse fenómeno.

Recorrendo-se a fotografias antigas existentes no Museu das Flores e na Santa Casa da Misericórdia provou-se que este imóvel já tinha sido caiado na sua totalidade e que a erosão agora detectada poderia resultar desse interregno de protecção das mesmas.

Na mesma reunião foi explanado o processo a que esta Direcção Regional tinha recorrido recentemente na Igreja do Recolhimento de Santa Bárbara / Ponta Delgada, onde, em situação idêntica, se tinha optado pela aplicação de uma tinta apropriada e com características semelhantes à cal (“época ottocento” c/ primário “rialto isccal”), que, permitindo a permeabilidade ao ar, impede a entrada de sais e a consequente erosão daí resultante

Ficou acordado com os presentes que seria efectuado teste de cor de diversas tonalidades de ocre (cor escolhida nessa reunião por consenso de todos) para posterior escolha.

À presente data já se encontra parte do imóvel pintado e as informações que temos recebido são favoráveis à intervenção.

GaCS/DRaC
Data Inicial
2011-01-24
Voltar atrás

Optimizado para as últimas versões dos browsers:
Microsoft Edge, Google Chrome, Safari, Opera e Firefox

Desenvolvido pela Salworks